Sed ut perspiciatis unde omnis iste natus error sit voluptatem accusantium doloremque laudanti.
Follow Me
Categorias do Blog
Últimos Posts
Arquivos
Search
TOP
Diário de Um Criminalista – Dia 22/01/2018 - Marcelo Campelo Advogado
107
post-template-default,single,single-post,postid-107,single-format-image,eltd-core-1.1.2,eltd-boxed,awake-ver-1.2,eltd-smooth-scroll,eltd-smooth-page-transitions,eltd-mimic-ajax,eltd-grid-1200,eltd-blog-installed,eltd-default-style,eltd-fade-push-text-right,eltd-header-classic,eltd-sticky-header-on-scroll-down-up,eltd-default-mobile-header,eltd-sticky-up-mobile-header,eltd-menu-item-first-level-bg-color,eltd-dropdown-default,eltd-,eltd-fullscreen-search eltd-search-fade,eltd-side-menu-slide-from-right,wpb-js-composer js-comp-ver-6.7.0,vc_responsive

Diário de Um Criminalista – Dia 22/01/2018

Marcelo Campelo Advogado / Diário de um Criminalista  / Diário de Um Criminalista – Dia 22/01/2018
Advogado Criminal Marcelo Campelo

Diário de Um Criminalista – Dia 22/01/2018

Curitiba, 22 de janeiro de 2018

Prezados,

Mais um dia de labuta jurídica. Entre atendimentos e petições. Perece realmente uma segunda-feira. Puxada.

Enfim, começou com um depoimento emergência em uma Delegacia Especializada derivado de uma ordem de prisão temporária devido a uma investigação que corria em segredo de justiça.

Trata-se de um caso de estelionato supostamente realizado por um gerente financeiro de uma empresa na emissão dos boletos. A empresa contatou a Polícia que iniciou a investigação e encontrou indícios de autoria. Solicitou a prisão temporária para colher os depoimentos e garantir a instrução processual. O investigado foi preso em sua casa às 06:00h da manhã e conduzido a Delegacia. A família entrou em contato com nossa equipe e nos dirigimos para o local.

Lá chegando, apesar de ter solicitado que não fosse ouvido sem a presença do Advogado, ao adentrar, o Delegado estava com nosso cliente na sala, algemado e conversando. Quando nos viu já se defendeu que estava apenas conversando. Enfim, deveria ser obrigada a presença de advogado sempre, mesmo que seja um defensor público, pois assim seria melhor para a Polícia, principalmente os bons policiais.

Solicitamos a retirada das algemas, pois não se trata de um crime violento e muito menos o réu oferecia qualquer ameaça aos policiais. O Delegado se recusou, alegando que seria um procedimento da carceragem, questionamos mas não fomos ouvidos. De todo o modo será reportado no pedido de liberdade provisória e no habeas corpus.

A oitiva não foi marcada e fomos providenciar o víveres necessários ao cliente que deixamos antes de ir para o escritório.

Não consegui almoçar pois um cliente já estava esperando para contar o seu caso. Tratava-se de uma intimação da Polícia Federal, para depoimento em duas semanas, segundo o cliente se trataria de um apropriação indébita previdenciária, Art. 167 A do Código Penal. Conversamos sobre os honorários.

Hoje, no final da tarde ficamos sabendo que o juiz Sérgio Moro questionou a Polícia Federal sobre o exagero nas algemas colocadas no ex-governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral. Ora, o uso de algemas deve ser justificado, portanto a regra é não usá-la, de todo o modo,  sem adentrar nos crimes pelos quais foi condenado, o réu não apresentava riscos e as algemas nas mãos e pés eram injustificadas. Por mais que o ímpeto moral da sociedade seja fazer justiça através de imagens fortes, não se esqueçam que abusos serão comeridos com grandes réus, mas principalmente com  pequenos, nos crimes menores, ou não acompanhados pela imprensa.

Vamos pedir e clamar pelo cumprimento da lei.

Marcelo Campelo

OAB/PR 31366

No Comments

Sorry, the comment form is closed at this time.

× chamar