Sed ut perspiciatis unde omnis iste natus error sit voluptatem accusantium doloremque laudanti.
Follow Me
Categorias do Blog
Últimos Posts
Arquivos
Search
TOP
Diário de um Criminalista – 31/01/2018 - Marcelo Campelo Advogado
129
post-template-default,single,single-post,postid-129,single-format-standard,eltd-core-1.1.2,eltd-boxed,awake-ver-1.2,eltd-smooth-scroll,eltd-smooth-page-transitions,eltd-mimic-ajax,eltd-grid-1200,eltd-blog-installed,eltd-default-style,eltd-fade-push-text-right,eltd-header-classic,eltd-sticky-header-on-scroll-down-up,eltd-default-mobile-header,eltd-sticky-up-mobile-header,eltd-menu-item-first-level-bg-color,eltd-dropdown-default,eltd-,eltd-fullscreen-search eltd-search-fade,eltd-side-menu-slide-from-right,wpb-js-composer js-comp-ver-6.7.0,vc_responsive

Diário de um Criminalista – 31/01/2018

Marcelo Campelo Advogado / Diário de um Criminalista  / Diário de um Criminalista – 31/01/2018

Diário de um Criminalista – 31/01/2018

Curitiba, 31 de janeiro de 2018

 

Hoje mais um janeiro termina. Como o tempo passa rápido, principalmente quando estamos focados e trabalhando em áreas que gostamos. O trabalho dignifica a pessoa e traz realização. Sem uma atividade o homem fica sem dignidade e sem objetivos na vida, por isso que as políticas públicas precisam ser direcionadas a educação e ao incentivo à geração de empregos.

Quando estamos trabalhando, com objetivos, não temos tempo ou também não queremos pensar em outra coisa. Nossa cabeça e tempo ficam ocupados. Não há espaço para cabeça ou termos idéias para ocupar nossa vida com outras atividades.

Em alguns lugares o tempo passa mais lentamente. Um deles é  cadeia. Não obstante a análise dos crimes que levaram ao encarceramento, aposto que não melhor lugar para se ocupar a cabeça com idéias ilícitas que uma cadeia ou penitenciária.

Os presos passam o dia em companhia de outros presos negociando e tendo idéias, seja na parte do crime, quando negociam outras atividades, ou, quando trabalham incessantemente em idéias para a defesa. Melhor se fosse apenas esta última hipótese.

Quem já defendeu alguém que se encontrava encarcerado sabe o quanto o advogado criminalista debe fazer empatia com o cliente e ouvir as idéias e ponderar. Também deve explicar quais são as possibilidade e não criar a esperança de situações que dificilmente acontecerão. O advogado criminalista precisa ser um psicólogo por muitas vezes, pois expor a realidade não é uma situação simples.

No entanto, o que quero ponderar é a necessidade de se incentivar cada vez mais o trabalho, o estudo, a atividade profissionalizante dos condenados, pois assim se poderá construir uma esperança para a sociedade ao ressocializar estes condenados. Quanto mais atividades e ensinamentos forem dados, maior a possibilidade de se diminuir a reincidência criminosa.

Ademais, o incentivo ao trabalho de egressos do sistema penitenciário também propiciará uma diminuição do retorno ao cárcere.

Poucos compreendem esta realidade. A sociedade prefere não enxergar e até esquecer que existem estes seres humanos que foram julgados e cumprem sua pena. Também preferem não entender que eles tem família e um dia retornarão a sociedade, portanto é um dever de todos, como um povo solidário amparar também estes cidadãos com uma possibilidade de ressocialização.

Fica esta reflexão para o último dia do ano.

Marcelo Campelo

OAB 31366

 

No Comments

Sorry, the comment form is closed at this time.

× chamar