Sed ut perspiciatis unde omnis iste natus error sit voluptatem accusantium doloremque laudanti.
Follow Me
Categorias do Blog
Últimos Posts
Arquivos
Search
TOP
Diário de um Criminalista – 8137 - Marcelo Campelo Advogado
14388
post-template-default,single,single-post,postid-14388,single-format-standard,eltd-core-1.1.2,eltd-boxed,awake-ver-1.2,eltd-smooth-scroll,eltd-smooth-page-transitions,eltd-mimic-ajax,eltd-grid-1200,eltd-blog-installed,eltd-default-style,eltd-fade-push-text-right,eltd-header-classic,eltd-sticky-header-on-scroll-down-up,eltd-default-mobile-header,eltd-sticky-up-mobile-header,eltd-menu-item-first-level-bg-color,eltd-dropdown-default,eltd-,eltd-fullscreen-search eltd-search-fade,eltd-side-menu-slide-from-right,wpb-js-composer js-comp-ver-6.7.0,vc_responsive

Diário de um Criminalista – 8137

Marcelo Campelo Advogado / Diário de um Criminalista  / Diário de um Criminalista – 8137

Diário de um Criminalista – 8137

Curitiba, 18 de setembro de 2018

Diário de um criminalista

Quero relatar o quanto amo a profissão de advogado. Gosto de defender e estar de um lado. Como advogado escolho o lado do meu cliente, sempre, independente dos fatos narrados. Um advogado nunca julga, defende. Por isso, no momento de aceitar a causa deve perscrustar os meandros de sua alma para ver se sua convicção estará plenamente ao lado do cliente.

Enfim, desabafos a parte, as vezes me acho das antigas, pois não gosto de mandar mensagens via whatsapp, prefiro conversar, ao vivo. Chamam-me de chato.

Hoje narrarei o fato de um empresário, que foi indiciado no crime previsto no art. 1, V da Lei 8137/90,

V – negar ou deixar de fornecer, quando obrigatório, nota fiscal ou documento equivalente, relativa a venda de mercadoria ou prestação de serviço, efetivamente realizada, ou fornecê-la em desacordo com a legislação.

Meu cliente, dono de uma grande indústria de cosméticos recebeu a visita de vários fiscais da receita federal e estadual. Ambos solicitaram os livros e as notas fiscais da emissão dos últimos cinco anos.

Enfim entregou tudo e mais um pouco.

Depois de, em tese, terminarem a fiscalização, um dos fiscais, mais arredio à empresários, falou que meu cliente não tinha entregado todos os documentos.

Depois de um bate boca inicial foram as vias de fato e todos acabaram na Delegacia de Polícia. Dentre os crimes tributários, surgiram lesões corporais.

No final, meu cliente foi enquadrado no art. 1,  V da Lei 8137/90 injustamente.

Adentramos com a defesa e ele foi absolvido.

Hoje, um colega de confiança aá prepara a ação cível pertinente.

Quem quiser saber mais que me contate.

Até amanhã

Marcelo Campelo

OAB/PR 31366

Criminalista na veia.

 

 

No Comments

Sorry, the comment form is closed at this time.

× chamar