Sed ut perspiciatis unde omnis iste natus error sit voluptatem accusantium doloremque laudanti.
Follow Me
Categorias do Blog
Últimos Posts
Arquivos
Search
TOP
Diário de um Criminalista – Tráfico de Drogas – Lei 11343/06 – Art. 33 - Marcelo Campelo Advogado
16161
post-template-default,single,single-post,postid-16161,single-format-standard,eltd-core-1.1.2,eltd-boxed,awake-ver-1.2,eltd-smooth-scroll,eltd-smooth-page-transitions,eltd-mimic-ajax,eltd-grid-1200,eltd-blog-installed,eltd-default-style,eltd-fade-push-text-right,eltd-header-classic,eltd-sticky-header-on-scroll-down-up,eltd-default-mobile-header,eltd-sticky-up-mobile-header,eltd-menu-item-first-level-bg-color,eltd-dropdown-default,eltd-,eltd-fullscreen-search eltd-search-fade,eltd-side-menu-slide-from-right,wpb-js-composer js-comp-ver-6.7.0,vc_responsive

Diário de um Criminalista – Tráfico de Drogas – Lei 11343/06 – Art. 33

Marcelo Campelo Advogado / Diário de um Criminalista  / Diário de um Criminalista – Tráfico de Drogas – Lei 11343/06 – Art. 33

Diário de um Criminalista – Tráfico de Drogas – Lei 11343/06 – Art. 33

Hoje vou comentar um caso que atendi de tráfico de drogas, cuja Lei que o define é a Lei 11343/06, em seu Art. 33.

A definição legal é a seguinte:

Art. 33. Importar, exportar, remeter, preparar, produzir, fabricar, adquirir, vender, expor à venda, oferecer, ter em depósito, transportar, trazer consigo, guardar, prescrever, ministrar, entregar a consumo ou fornecer drogas, ainda que gratuitamente, sem autorização ou em desacordo com determinação legal ou regulamentar

Portanto o crime de tráfico envolve todas as condutas descritas no Art. 33.

O meu cliente foi acusado de transportar droga de uma cidade na fronteira até a capital do Estado, em seu veículo, um caminhão que também trazia soja.

No caminho, em uma barreira na estrada, foi parado pela Polícia Rodoviária Federal, que achou a carga de maconha escondida num fundo falso da carroceria, por meio de cães farejadores.

Flagrante realizado, em seguida a audiência de custódia. O juiz entendeu que meu cliente deveria permanecer em custódia para responder o processo.

Ingressamos no Tribunal de Justiça, com um habeas corpus, que foi concedido, em razão da primariedade do réu, sua condição familiar, pois tem esposa e filhos, mas foi determinado o uso de tornozeleira.

Agora, aguardar a denúncia para continuidade do processo.

Marcelo Campelo

Advogado Criminalista

OAB/PR 31366

marcelo@marcelocampelo.adv.br

No Comments

Sorry, the comment form is closed at this time.

× chamar