Sed ut perspiciatis unde omnis iste natus error sit voluptatem accusantium doloremque laudanti.
Follow Me
Categorias do Blog
Últimos Posts
Arquivos
Search
TOP
Amante tem direito à pensão? - Marcelo Campelo Advogado
16737
post-template-default,single,single-post,postid-16737,single-format-standard,eltd-core-1.1.2,eltd-boxed,awake-ver-1.2,eltd-smooth-scroll,eltd-smooth-page-transitions,eltd-mimic-ajax,eltd-grid-1200,eltd-blog-installed,eltd-default-style,eltd-fade-push-text-right,eltd-header-classic,eltd-sticky-header-on-scroll-down-up,eltd-default-mobile-header,eltd-sticky-up-mobile-header,eltd-menu-item-first-level-bg-color,eltd-dropdown-default,eltd-,eltd-fullscreen-search eltd-search-fade,eltd-side-menu-slide-from-right,wpb-js-composer js-comp-ver-6.7.0,vc_responsive

Amante tem direito à pensão?

Marcelo Campelo Advogado / Direito de Família  / Amante tem direito à pensão?

Amante tem direito à pensão?

            Antes de responder à pergunta propriamente dita, necessária uma contextualização. O presente texto é escrito no ano de 2021, no qual o casamento, união estável e as relações afetivas sofreram muitas mudanças. Atualmente se estuda, no espectro jurídico, famílias paralelas, famílias com vários cônjuges, famílias com cônjuges do mesmo sexo, cujos direitos devem ser resguardados.  Independente, de como a formação moral ou de crenças religiosas, as pessoas tem direito de ser felizes e assim nossa Constituição determina.

            O seu Art. 226 determina que “ A família, base da sociedade, tem especial proteção do Estado.”.. Portanto, no Brasil, a família, seja como ela seja constituída, terá especial proteção do Estado.

            Mas o que significa casamento? Casamento é um contrato formal entre duas pessoas, unidas pelo afeto, para a vida inteira, no qual estas duas pessoas, homem e mulher, tem direito e deveres iguais, cujo objetivo é construir uma vida juntos. Nessa empreitada pode construir patrimônio, ter filhos e até se separar,  quando o patrimônio construído junto, dependendo da forma acordaram no contrato o bens comprados juntos. O casamento, opriundo de crenças religiosas, é entre homem e mulher.

            O casamento é o mesmo que família? Não. Família tem um conceito mais amplo. Inclusive podemos utilizar o exemplo da Lei Maria da Penha que define família como: “comunidade formada por indivíduos que são ou se consideram aparentados, unidos por lações naturais, por afinidade ou por vontade expressa”. Ou ainda, outra definição, de um Professor Paulo Lôbo,  “os tipos de entidades familiares expressamente definidas na Constituição brasileira não encerram números clausus, as entidades familiares assim entendidas, as que preencham os requisitos de afetividade, estabilidade e ostentabilidade, estão constitucionalmente protegidas, como tipo próprios, tutelando-se os efeitos jurídicos pelo Direito de Família.” O que o professor quer ensinar que a Constituição deixa uma brecha para que o Direito de Família proteja as diversas formas de família adotadas pela sociedade brasileira, desde que estejam presentes os requisitos de afeto, duração e sejam reconhecidas entre todos.

            Ponto importante, antes da resposta a questão inicial é a fidelidade.   Para muitos, inexiste casamento sem fidelidade, inclusive, protegido por lei, Art. 1566, I do Código Civil. Porém, existem relações que permitem o descumprimento deste dever? Sim, muitas. Estas pessoas vivem felizes? Ninguém pode se intrometer, a questão aqui é jurídica.

            Num exemplo interessante, em que um homem e uma mulher se permitem quebrar o dever de fidelidade, os companheiros da relação paralela teriam direito à herança e como funciaria? Os filhos teriam, sempre. O companheiro, os estudiosos do direito ainda não estão seguros e partem para a decisão no caso concreto.

            Numa das decisões o Superior Tribunal de Justiça, reconheceu a relação da companheira, na hipótese de separação de fato ou jurídica do casal, “A orientação jurisprudencial desta Corte é firme no sentido de que a relação concubinária, paralela ao casamento ao casamento, não pode ser reconhecida, como união estável,  salvo se configurada separação de fato ou judicial entre os cônjuges.” (STJ AgRg no Resp 1235648 RS).. O caso é a regra, mas já se julgou a hipótese em que um longa relação extraconjugal, aceita pela cônjuge, gerou o pagamento de uma pensão: “…Caso Peculiaríssimo. Preservação da Família X Dignidade e Solidariedade humana. Sustento da alimentada pelo alimentante por quatro décadas …” . Não há como negar, que neste caso, por mais que se tratasse de uma relação extraconjugal, com violação de uma dispositivo legal, dever de fidelidade, a relação tida por quatro décadas deve ser protegida pelo direito, pois havia uma família, constituída e a amante, recebeu a pensão.

            Como conclusão, em direito, mas principalmente no direito de família não se pode firmar regras, pois sempre serão apresentadas exceções.  Melhor, estudar, analisar o caso e entender o que o legislador e a sociedade desejam, no caso, proteger a família, independente da origem e forma.

Marcelo Campelo Advogado Criminalista

OAB/PR 31366

marcelo@marcelocampelo.adv.br
(41) 30538800
(41)9 99144464

Rua Francisco Rocha, 62 CJ 1903, Curitiba, Paraná, Brasil, CEP 80420-010

    advogado criminal advogado criminalista advogado de defesa art 217 Care codigo de processo penal codigo penal Colors crime crimes crimes digitais criminalista desembargador direito criminal direito médico direito penal direito processual penal direitos do réu empresariais estelionato estupro furto habeas corpus Healthy Home Ideas importunação sexual Inspiration juiz liberdade provisória Lifestyle marcelo campelo marcelo campelo advogado criminalista ministério publico oab pe 31366 Prisão Preventiva promotor responsabilidade civil sonegação stf stj Supremo tribunal federal tjpr Travel Work

    No Comments

    Sorry, the comment form is closed at this time.

    × chamar