Sed ut perspiciatis unde omnis iste natus error sit voluptatem accusantium doloremque laudanti.
Follow Me
Categorias do Blog
Últimos Posts
Arquivos
Search
TOP
Condições pessoais não são suficientes para impedir prisão - Marcelo Campelo Advogado
16796
post-template-default,single,single-post,postid-16796,single-format-standard,eltd-core-1.1.2,eltd-boxed,awake-ver-1.2,eltd-smooth-scroll,eltd-smooth-page-transitions,eltd-mimic-ajax,eltd-grid-1200,eltd-blog-installed,eltd-default-style,eltd-fade-push-text-right,eltd-header-classic,eltd-sticky-header-on-scroll-down-up,eltd-default-mobile-header,eltd-sticky-up-mobile-header,eltd-menu-item-first-level-bg-color,eltd-dropdown-default,eltd-,eltd-fullscreen-search eltd-search-fade,eltd-side-menu-slide-from-right,wpb-js-composer js-comp-ver-6.7.0,vc_responsive

Condições pessoais não são suficientes para impedir prisão

Marcelo Campelo Advogado / Decisões Importantes  / Condições pessoais não são suficientes para impedir prisão

Condições pessoais não são suficientes para impedir prisão

AGRAVO REGIMENTAL EM HABEAS CORPUS. IMPETRAÇÃO INDEFERIDA LIMINARMENTE. SÚMULA 691/STF. AUSÊNCIA DE PATENTE ILEGALIDADE. INSUFICIÊNCIA DE MEDIDAS CAUTELARES ANTERIORMENTE IMPOSTAS. TRANSAÇÕES FINANCEIRAS DUVIDOSAS. FATOS NOVOS. PREJUÍZO AO ERÁRIO NO VALOR DE R$ 982.201,27. NECESSIDADE DE ASSEGURAR A ORDEM PÚBLICA E A INSTRUÇÃO CRIMINAL. COVID. EXAME POSITIVO. SUPRESSÃO DE INSTÂNCIA. AGRAVO REGIMENTAL IMPROVIDO.

1. O Superior Tribunal de Justiça tem compreensão firmada no sentido de não ser cabível habeas corpus contra decisão que indefere o pleito liminar em prévio mandamus, a não ser que fique demonstrada flagrante ilegalidade, o que não ocorre na espécie. Inteligência do verbete n. 691 da Súmula do Supremo Tribunal Federal.

2. No caso, foram impostas cautelares diversas da prisão, viabilizando a agravante responder ao processo solta. Todavia, diante de fatos novos (tentativa de ocultação da agravante, ausência de manifestação quanto à origem do dinheiro com o qual pretende pagar débito cobrado nos autos n. 1001516-46.2019.8.26.0075 e contradição em seu acervo patrimonial), entendeu o magistrado em decretar-lhe a preventiva. Destacou-se, ainda, a existência de indícios de prejuízo ao erário no valor de R$ 982.201,27 e que as medidas anteriormente decretadas não foram suficientes para fazer cessar transações financeiras duvidosas.

3. Como se pode ver, as instâncias ordinárias se basearam em elementos concretos que demonstram a necessidade da custódia, sobretudo para garantir a ordem pública e a conveniência da instrução criminal.

4. As condições subjetivas favoráveis da agravante, tais como primariedade, bons antecedentes e residência fixa, por si sós, não obstam a segregação cautelar, quando presentes os requisitos legais para a decretação da prisão preventiva.

5. Embora alegue a agravante que testou positivo para Covid-19, o pleito de concessão de prisão domiciliar, à luz da Recomendação 62/2020-CNJ, ao menos no juízo preliminar, não foi apreciado pela Corte a quo, além de que não há nos autos informações que permitam concluir se a questão foi ou não submetida à análise do Juízo de primeiro grau.

6. Agravo regimental improvido.

(AgRg no HC 638.907/SP, Rel. Ministro REYNALDO SOARES DA FONSECA, QUINTA TURMA, julgado em 09/02/2021, DJe 11/02/2021)

Comentários:

A tinha conseguido a prisão domiciliar. No entanto, diante de fatos novos, o juízo decidiu decretar a prisão preventiva. Diante da tentativa de ocultar valores, não responder as demandas do juiz e o valor desviado, quase um milhão de reais, por questões de ordem pública, não se conseguiu evitar a prisão preventiva.

Outro ponto importante da decisão é o entendimento de que as condições subjetivas favoráveis do réu, não lhe garantem a não decretação da prisão preventiva.

No Comments

Sorry, the comment form is closed at this time.

× chamar